Loading...

quinta-feira, 30 de setembro de 2010

Adorando Íris (a Grande)

Eu, um dia, em uma conversa trivial antes de dormir, à uma distância de uma infinidade de milímetros... em baixo, ao lado da cama dela, em um travesseiro diferente do dela, com um edredom que cobriria à mim, e não à ela... Ela se cobrira com outro...
- Eu não amo demais. As vezes amo bastante, mas nunca demais. Nunca consegui.
Ela me olhava com dó, piedade, aversão, dúvida, desentendimento, estranhamento... Bem, na verdade, eu não sei classificar que tipo de olhar ela me lançava naquela hora.
Uma pessoa com as genitais do ego quase que mutiladas de tão viciada em masturbação...
Gente desse tipo se apaixona por situações, pelo curso que elas percorrem. Entra e sai rápido de relacionamentos de pouca intensidade. Gente desse tipo se apaixona pelo poder que elas passam à ter sobre as pessoas que ela conquistou, e não pelas pessoas conquistadas em si. Quanto mais difícil você se tornava para quem te desejava, quanto maior fosse a entrega delas à você e quanto maior poder da situação você conseguisse... Esse era o objetivo. Envolver pessoas até o limite sem se envolver. Fazer as pessoas odiarem umas as outras por sua causa, perturbar o sono delas, ver cenas de ciúme incontido... Ser amada incondicionalmente por todos sem amar ninguém. É um vício.
Vício.
"E você já viu algum viciado parar de ser viciado?! Viciado que é viciado nunca para com as drogas! Viciado que é viciado substitui!" - Palavras da Elisa.
Você é adicta à uma coisa até encontrar outra que te prenda de forma mais intensa... Uma coisa que te faça provar sensações das quais você se torne dependente como jamais foi com nenhuma outra coisa...
Agora você é uma viciada real... passa à amar mais seu objeto de vício do que à si própria... Perde o orgulho, perde o hedonismo, perde o egoísmo, perde o narcisismo... Ganha tudo o que você desejava: Amar demais.

In you I see dirty
In you I count stars
In you I feel so pretty
In you I taste God
In you I feel so hungry
In you I crash cars... We must never be apart.

Um comentário: